Entrevista com Tatiana Canto de Carvalho: sobre ensino/aprendizagem de inglês para crianças

A entrevista de novembro busca esclarecer as dúvidas mais comuns no que diz respeito ao ensino/aprendizagem de inglês para crianças. Para responder esses questionamentos, convidei a gaúcha Tatiana Canto de Carvalho (tatticanto@terra.com.br), professora de inglês há 20 anos com experiência no Brasil, nos EUA e no Canadá. Ela é formada em Letras pela UFRGS, especialista em língua inglesa pela PUC-RS e possui interesse em teacher training e ensino de inglês para crianças, tendo apresentado workshops nessas áreas em diferentes estados e países. Confiram!

EIB: Quando e por que você decidiu se especializar no ensino de inglês para crianças?

TC: Sempre gostei de crianças, mas queria trabalhar com a língua inglesa de alguma maneira. Foi em 1992, quando entrei para a universidade, que tive a ideia de oferecer aulas de inglês em escolas de educação infantil, o que não era comum naquela época. Como não tinha experiência como professora e tampouco com crianças, fui atrás de formação. No entanto, não havia nada que juntasse os dois. Então, fiz um curso de ‘professora jardineira’ com duração de dois anos, paralelo à Faculdade de Letras, e iniciei as aulas para os pequenos. A partir de então, não parei mais. 

EiB: Na sua opinião, a partir de que idade os pais devem matricular seus filhos em escolas de idiomas?

TC: “The sooner, the better”, eu diria. No entanto, há uma série de fatores que contribuem para uma boa aprendizagem, não só a idade. Quanto antes as crianças iniciam, a pronúncia tende a ser ‘mais limpa’, devido à plasticidade do aparelho fonador nos anos iniciais da infância. No entanto, se o aluno tem um ‘mau modelo’, ou seja, um professor com restrições linguísticas, ele acabará repetindo os mesmos erros e vícios que ouve. A frequência das aulas também influencia. De modo geral, as escolas de educação infantil no sul do Brasil oferecem aulas de inglês semanais em períodos que variam entre 20 minutos à uma hora. Se a criança só tem contato com a língua neste período, é provável que não vá consolidar muito. Ela precisa de constante estímulo. Costumo dizer que crianças aprendem muito rápido, assim como esquecem. As frequentes retomadas também são fundamentais para que o aprendizado se consolide.

EiB: Você recomenda algum site com atividades para as crianças aprenderem inglês?

TC: Alguns entre os muitos que uso para prática em sala de aula são: PSB KidsTOTLOLLearning Chocolate e English for Little Children
EiB: Quais são seus livros e sites favoritos para auxiliar na preparação de aulas?

TC: Na minha opinião, todo professor de criança deveria ter o livro The Primary English Teacher’s Guide, pois é um guia geral que dá um pouco de suporte metodológico seguido por atividades práticas a serem desenvolvidas em sala de aula. Hoje em dia, há muito recurso nesta área, não só bons livros, mas também bom material de apoio ao professor disponível na web. Gosto particularmente dos sites da BBC for kids e SparkleBox.

EiB: Quais as atividades que as crianças mais gostam em suas aulas?

TC: A maioria das crianças gosta de tudo que envolva movimento; gosta de músicas, de surpresas, de ser desafiada e de mistério. Além disso, elas gostam muito de histórias. As brincadeiras de rua são hors concours. Acredito que se envolvam em todas as propostas desde que o professor acredite nelas.

EiB: Desde 2007, você ministra cursos em parceria com a livraria SBS. Conte-nos sobre essa atividade.
TC: Esta atividade nasceu da minha vontade de estar em contato com outros professores de inglês: discutir tópicos, falar sobre aspectos práticos do dia-a-dia da sala de aula e montar um grande banco de atividades. Assim, ministro workshops gratuitos sobre diversos tópicos da realidade do professor de LA. Eles geralmente acontecem uma vez por mês aos sábados. Já nos períodos de férias escolares, ofereço minicursos sobre o ensino de língua inglesa: para crianças e adultos. Além disso, coordeno na mesma livraria, em parceria com a APIRS (Associação dos Professores de inglês do RS) um grupo de estudos sobre o ensino de língua inglesa para crianças. Este grupo também é aberto a todos os professores e estudantes que tiverem interesse. Quem quiser mais informações, pode entrar em contato por e-mail. 

EiB: Quais são suas dicas para os leitores do blog que desejam se dedicar ao ensino de inglês para crianças?

TC: Ser professor de inglês para crianças requer mais do que domínio da língua e didática. É preciso gostar do inesperado. É preciso dispor-se a rolar no chão e a mover-se o tempo inteiro. É necessário transformar-se em polvo em um piscar de olhos, com braços e olhos para todos. É estar preparado para deixar de lado o perfeito plano de aula pensado para o dia. É preciso dinamismo, disposição, entrega. É estranhar o silêncio de fora da escola. É poder dar colo e receber sorrisos e comentários muito espontâneos, nada lapidados, mas muito verdadeiros. Quem quiser se dedicar aos pequenos deve estar disposto a tudo isso. Procurar cursos e oficinas de extensão na área também é de grande valia. E, idealmente, diria que estar em sala de aula com outro professor mais experiente vale mais do que mil palavras!
EiB: Muito obrigada pela participação! O English in Brazil lhe deseja cada vez mais sucesso!

TC: Eu que agradeço!

Tatiana em prática: St. Edmund’s School, Vancouver, Canadá (2008)


Festa de Halloween 2013, Escola Projeto, Porto Alegre, 2013

Ministrando curso de formação para professores cabo-verdianos, Fortaleza, 2013